A causa psicológica que boicota qualquer dieta

2015-06-11

Já tentou emagrecer, testou várias dietas e volta sempre ao mesmo? Mantém aquela sensação que não consegue e sente-se mal consigo mesmo!?

Parece óbvio em termos leigos, especialmente para quem consegue emagrecer facilmente. Basta fazer exercício físico. Beber água e sumos naturais ao invés da restante oferta calórica. Comer alimentos saudáveis e em quantidades estritamente necessárias para nutrir-se/alimentar-se. Mastigar umas vinte vezes antes da garfada seguinte também é uma excelente aposta.

Mas nem sempre é assim. Há muitas pessoas que mais parece nunca estarem saciadas, que querem sempre mais. É um comportamento  meramente físico. Encontram na comida a obtenção de um ganho secundário e momentâneo. Escondem por detrás uma necessidade não atendida, uma carência que nada tem que ver com fome. Daí que todas as tentativas de dieta sejam falhadas/incompetentes. A comida é um acesso automático de sobrevivência, de trazer calma à ansiedade sentida.

Paul McKena diz que “comer depressa inunda o cérebro de químicos que produzem uma sensação de felicidade e que são libertados com o ato de comer, e oculta os sinais de saciedade enviados para o estômago.”

Primeiro que tudo, há que questionar-se sobre o que lhe falta? Quais são as suas reais necessidades? O que precisa? Em que momento da sua vida se esqueceu do ser único e especial que é?

Ao tomar consciência do que o leva a comer de facto, poderá alterar o ato em si, fazendo-o de forma consciente. Começará a prestar-se atenção interior e a dar-se o que precisa. Só depois fará sentido, focar-se no objectivo de perder peso, junto de um personal trainer, se achar por bem e já sem esforço, sendo que vai estar em aceitação e respeito pelo corpo que tem, que é único e maravilhoso. Pense na quantidade de coisas que faz por si, completamente sozinho, como respirar, bombar o coração e ter sangue a circular nas veias. Não é fascinante o poder que tem dentro de si!?

Cuide de si! Primeiro da sua psique. O resto resolve-se naturalmente.

Isabela Eunice

 

 


Partilhar: