Reconhecer padrões de comportamento através das Deusas

Existem padrões de comportamento humano que se mantêm ao longo do tempo e em qualquer lugar.

De acordo com o supra, Carl Gustav Jung desenvolveu o conceito de "Arquétipo", como sendo aquilo que se repete independentemente das nossas experiências, dos locais que frequentamos e do momento histórico que vivemos. Trata-se de uma camada inconsciente da nossa psique individual, que herdamos do coletivo. Manifesta-se de forma instintiva, é percecionada pelos sentidos e imagens simbólicas. Revela-se tipicamente em fantasias e nos sonhos.

Jean Bolen, analista junguiana, pesquisou a mitologia grega e identificou 7 arquétipos femininos nas deusas, que reconhecemos facilmente nas mulheres de hoje, conforme infra.

 1. As Deusas Virgens, consideradas independentes e ativas. São virgens, não pelo facto de serem intocadas sexualmente mas sim por fazerem o que querem, em respeito pelos próprios valores, sem se afetarem pelo coletivo, nem terem necessidade de aprovação masculina. Enquadram-se aqui três tipos de deusas:

ATENAS- A deusa da sabedoria e das artes. Vive intelectualmente, é lógica, estrategista e autoconfiante. Conviveu com os homens como uma igual. Atualmente compete lado a lado com os homens. Escolhe privar com homens poderosos e de sucesso, por se identificar com a polaridade masculina. Representa o arquétipo da filha do Pai. Nasceu adulta e desconhece a mãe ou esta passou-lhe ao lado.

ÁRTEMIS- A deusa da caça e da lua. Selvagem, guerreira e constante no objetivo. É tudo ou nada. É autoconfiante e forte, vive nas matas acompanhada de lobos. Desviou-se do convívio com os homens, endureceu-se, mas quando os atrai, eles mostram-se dependentes e carentes. Afasta-os assim que ganha lucidez de espírito. Feminista convicta, rígida e individualista. Constitui o arquétipo da irmã.

HÉSTIA- A deusa do fogo, da lareira e do lar. Reservada, aprecia a quietude da solidão. Tem uma enorme força interior que se manifesta pela introversão. Reprimiu a sua feminilidade para evitar atrair o interesse masculino. Recolhe-se em tarefas que respeitam ao lar, toma conta da casa de forma contemplativa.

2. As três Deusas Vulneráveis 

HERA- A Deusa do casamento. Este tipo de mulher sonha com o casamento. É sensível e empática com os outros, sendo dependente do marido e defende-o sempre, nunca lhe atribuindo a culpa de nada. Estudo e trabalho é secundário. Tem poucas amigas e os filhos são um protocolo. Separação ou viuvez é o seu maior martírio. Com ira, torna-se assustadora e destrutiva. Os homens escolhem estas mulheres para apresentarem socialmente. Elas dificilmente pedirão divórcio.

DEMÉTER- A Deusa do cereal  (nutrição física, psicológica e espiritual)  e a deusa Mãe  (Gestação). O homem para esta mulher é um meio para atingir o sonho/desejo de ser Mãe. Tem o "síndrome do ninho vazio", regra impede os filhos de crescerem, sendo que muitas vezes estes têm dificuldade em casar, são já quarentões e ainda vivem com a mãe, ou vivem sozinhos, tendo a Mãe a chave para cuidar da casa/filho. Este tipo de mulher é escolhida por homens imaturos, egocêntricos e sociopatas. A raiva nestas mulheres é somatizada em fadiga, enxaquecas, dores de costas e autossabotagem de todas as formas e feitios.

PERSÉFONE- A Sacerdotista, quem governa o mundo invisível. Necessita de ser sempre conduzida, sendo que nunca sabe o que quer, nem o que fazer ou como. Representa a filha obediente, faz de tudo para agradar a mãe, que a auxilia nas compras, com os filhos e até na escolha das amizades. É recatada e passiva, sempre dependente. Adapta-se aos desejos do homem. Este tipo de mulher é escolhida por homens inexperientes que se sentem desconfortáveis com mulheres maduras e poderosas. Têm a sexualidade adormecida, são submissas e falta-lhes paixão. São instáveis no emprego. Regra deprimem na meia-idade, lidam mal com a fase da maturidade, porque sempre foram atrativas apesar de ingénuas. Isolam-se do mundo que as rodeia na segunda fase da vida e voltam-se para o interior.

3. A Deusa Alquímica/transformadora

AFRODITE- A Deusa do amor, da Beleza e da sexualidade. Tem um enorme poder de transformação e criatividade. Atrai, une, fertiliza, faz a incubação e volta a criar. Harmoniza os aspetos das deusas virgens e vulneráveis. É impulsiva, determinada em viver intensamente e em possuir vários relacionamentos afetivos. Faz com que os homens se sintam importantes e especiais, desperta-os para o seu melhor. Ao mesmo tempo, são recetivas e doadoras. Possuem uma vivacidade, sensualidade e espontaneidade natural, pelo que são tipicamente muito carismáticas.

As 7 deusas juntas mostram a totalidade das qualidades humanas. Representam os padrões possíveis de comportamento e os traços de personalidade. Perceber como as mulheres funcionam psicologicamente promove a compreensão dos conflitos intrapsíquicos e a harmonia interior e exterior.

 

Isabela Eunice


Partilhar: