Teorias de Desenvolvimento de Carreira

As Teorias de Desenvolvimento de Carreira, devem ser analisadas, tendo em conta as épocas em que foram criadas. No tocante às ações vocacionais, reúne-se o essencial de 5 Teorias/Modelos Científicos:

(1) O modelo de ajustamento tanto de Holland (1997), como de Dawis (2005). Faz corresponder as características dos indivíduos às do trabalho, facilitando a tomada de decisão na escolha profissional. É um modelo  passivo, no sentido que se baseia na avaliação psicológica de outrém;

(2) Os modelos desenvolvimentistas. Analisam o indivíduo em contextos mutáveis e em transições ao longo da vida (Super & Knasel, 1981), promovendo uma escolha vocacional ativa, atentando como o indivíduo se comporta em diferentes papeis e contextos (Super, 1990) e os significados que lhe atribui, permitindo que se conheça;

(3) Modelos de construção da carreira. Savickas (2002, 2005) refere que mais que um processo de desenvolvimento, é um processo de construção de carreira. Identificam padrões na história individual, nos contextos e papeis do indivíduo e aponta-se para o futuro, reinterpretando os significados e representações subjetivas da realidade. Guichard (2005) atribui ao indivíduo a responsabilidade de se construir a si mesmo ao longo do seu percurso, sendo o protagonista da sua história;

(4) Os modelos contextualistas. Intervêm analisando os relacionamentos interpessoais do indivíduo e os papeis desempenhados em diferentes contextos e o que podem fazer para se adaptarem (Guichard & Huteau, 2001);

(5) Os modelos de aprendizagem social analisam a influência dos ambientes, nos pensamentos, sentimentos e consequentemente  nos comportamentos da pessoa (Bandura, 1977).  

Isabela Oliveira


Partilhar: