Educação para a Carreira

2020-03-21

A Educação para a Carreira é um movimento que surgiu nos Estados Unidos da América, na década de 70, quando os políticos afetos à educação, perceberam dificuldades nos jovens que chegavam ao mercado de trabalho, identificando nas escolas um precioso potencial preventivo, sendo que podiam equipar as pessoas académica, pessoal, profissional e também socialmente (Hoyt, Evans, Mackin, Mangum, & Gale, 1997). Mais do que o desenvolvimento da pessoa humana, educar para a carreira, dirige-se ao bem comum (Guichard, 2005).

Numa abordagem longitudinal, os agentes educativos, sem saírem das suas funções especificas, podem proporcionar o desenvolvimento vocacional de forma progressiva, com ajustes à idade, começando do mais simples para o mais complexo e do mais familiar para o mais distante (Herr, Cramer, & Niles, 2004; Taveira, 2001).

Ao educarem para a Carreira, os professores estão a consciencializar os alunos da importância do que estão a aprender, nas diferentes disciplinas, para o que vão precisar no futuro, nomeadamente para concretizarem objetivos profissionais (Moreno, 2008, p. 41).

Tendo em conta os princípios de Educação para a Carreira, Férnandez (1993) sugere que os professores, desde logo, devem aplicá-los primeiramente em si mesmos. Contribuindo para que: se conheçam melhor (identificando o que os levou a escolher a profissão, se foram valores por detrás,  motivos pessoais, familiares, socias ou escolares); identifiquem oportunidades disponíveis (averiguando as competências que já possuem e os seus interesses/motivações intrínsecas); reconheçam diferentes estratégias/ferramentas (que a cada momento identifiquem como mais adequadas para catalisarem o alcance dos objetivos) e aprendam a lidar com as transições de vida com resiliência, como outros profissionais o fazem. Assim, os professores desempenharão as suas funções de forma consciente e intencional, sabendo o que estão a fazer, porquê, como, quando e para quê, superando-se e fazendo cada vez melhor, em cooperação com os pares e demais envolvente educativa, servindo a sociedade, além dos seus pupilos.

Isabela Oliveira


Partilhar: